8 erros históricos do filme Gladiador

Segundo o historiador inglês Peter Burke, nós enxergamos a história através dos olhos daqueles que a “inventam”, e os filmes épicos e de drama histórico são um bom exemplo disso. O fato é que, independente de sua precisão, os filmes têm maior apelo e exercem maior influência sobre o grande público do que qualquer pesquisa, documentário e obra acadêmica.

Mas, verdade seja dita, os épicos históricos de Hollywood não são planejados para ensinar, mas sim para entreter e principalmente render lucros. Dessa forma, a licença poética geralmente é usada para “temperar” a história e potencializar o interesse do público, ou resumidamente falando, vender mais.

AINDA QUE HISTORICAMENTE IMPRECISO, GLADIADOR CONTINUA SENDO UM GRANDE FILME

Tomemos como exemplo o filme Gladiador de 2000, dirigido por Ridley Scott, com Russel Crowe no papel principal. Ainda que haja historiadores que o elogiem e digam que o filme retrata bem alguns aspectos da Roma Antiga, o filme sofre também críticas por apresentar muitas imprecisões históricas.

Veja abaixo 8 exemplos de falhas do filme quando o assunto é precisão histórica.

1. BALISTAS E CATAPULTAS SENDO UTILIZADAS NUMA FLORESTA

Apesar de tais armas terem existido – e ajudado a criar uma grandiosa cena de abertura para o filme – é quase certo que elas não foram usadas naquele tipo de conflito. Eram equipamentos mais práticos e eficazes quando aplicados ao sitiar cidades. Devido ao peso dessas armas, eram pouco viáveis em batalhas de campo aberto, especialmente em meio a tantas árvores como no início do filme.

GRAVURA DE 1552 DE UMA BALISTA ROMANA

2. AS LUTAS DE GLADIADORES BANIDAS POR ORDEM DE MARCUS AURELIUS

O que aconteceu na verdade foi o contrário, o Imperador fez uso do bom e velho “pão e circo” ao decretar que os combates entre gladiadores continuassem e assim a população se manteria entretida e menos preocupada com a economia que não ia muito bem.

3. A RESTAURAÇÃO DA REPÚBLICA PLANEJADA POR MARCUS AURELIUS

Não existem evidências de que o Imperador ou o Senado quisessem fazer de Roma novamente uma republica ou que tivessem intenção de acabar com o Império. Os que ascendiam ao posto de Imperador não eram contrários àquele sistema. Tudo indica que essa liberdade artística foi adotada para evocar os ideais democráticos do século 21.

4. O PERSONAGEM MAXIMUS DECIMUS MERIDIUS

O herói do filme, campeão do povo de Roma e carrasco do perverso Commodus nunca existiu. Talvez o personagem tenha sido uma mistura de várias figuras históricas, como Taruttienus, o comandante das forças romanas contra as tribos germânicas em 179, ou Narcissus, o lutador romano que realmente matou Commodus ou talvez Tiberius Claudius Pompeianus, sírio-romano de Antioquia, general preferido por Marcus Aurelius e que se casou com sua filha, Lucila.

A história e o ímpeto de Maximus também se assemelha à de Spartacus, o escravo trácio que se tornou gladiador, se rebelou contra Roma, liderou um exército de escravos e venceu nove memoráveis batalhas antes de ser derrotado.

5. MARCUS AURELIUS NOMEAR MAXIMUS COMO SUCESSOR

JOAQUIM PHOENIX COMO COMMODUS E RICHARD HARRIS COMO MARCUS AURELIUS

Até que existia a tradição de nomear Imperadores “adotivos”, quer dizer, que não fossem filhos biológicos do predecessor. Mas a história atesta que Marcus Aurelius não se apegou a esse costume e, apesar das “peculiaridades” de Commodus, ele nomeou seu filho como sucessor e herdeiro. E é óbvio mencionar que, por se tratar de um personagem fictício, nunca houve a possibilidade de Maximus ter concorrido ao posto.

6. O VERDADEIRO IMPERADOR COMMODUS 

Commodus tinha 18 anos na época em que Marcus Aurélius morreu. É descrito como alto, musculoso e loiro. Ele enfrentava gladiadores e se orgulhava de ter obtido 620 vitórias. Isso é o que ele mesmo escreveu e provavelmente é verdade, já que seus oponentes preferiam se render para que, desse modo, não morressem após desonrar o Imperador. Mas é sabido que, quando praticava, ele costumava matar seus parceiros de treino.

Embora no filme ele já seja retrata como uma pessoa, digamos, difícil, os escritos sobre o Commodus histórico mostram que ele era absurdamente pior. Ele era estúpido, sádico, covarde e excessivamente passional. Dizem que era tão belo quanto cruel.  Gostava de passar o tempo abatendo animais exóticos como leões, avestruzes e girafas em caçadas – estrategicamente facilitadas – dentro das arenas de Roma. Ele também costumava executar feridos e veteranos provenientes das guerras de roma, e fazia isso aos olhos do público.

7. O USO DO LATIM

Algumas palavras foram mudadas de latim para italiano – por exemplo, o personagem Proximo, que deveria ser Proximus. E houve também casos de combinação dos dois idiomas Há uma placa em que se lê ‘LUDUS MAGNUS GLADIATORES’, quando o certo seria ‘LUDUS MAGNUS GLADIATORUM’. Nesse caso os erros são simples e até poderiam passar batido, mas levando em conta a grandeza da produção por trás desse filme, por que não fazer correto?

8. COMMODUS SER MORTO POR UM GLADIADOR

O Imperador Commodus não foi executado na arena como mostrado no filme. Ele morreu vítima de homicídio devido a uma conspiração política. Primeiro sua amante o envenenou, mas ele vomitou e expeliu todo o veneno, então os conspiradores enviaram seu treinador e parceiro de lutas, Narcissus, que o estrangulou durante o banho.

ESTÁTUA DE COMMODUS VESTIDO COMO HÉRCULES. ELE TAMBÉM ERROU, E ERROU FEIO

Gostou do post? Gostaria de ler sobre algum outro filme que retrata períodos históricos? Comente aí, deixe sua sugestão, é de graça…

VIA: madefrom.com

Anúncios

25 comentários sobre “8 erros históricos do filme Gladiador

  1. Gostei e muito desses esclarecimentos!!!! Como admiradora da História, fico grata pelos esclarecimentos…. E, com certeza já sou fã!!!! Verificarei outros filmes….. Obrigada.

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá Angela! A irmã dele existiu e assim como no filme ela conspirou assassiná-lo. Mas eles não tiveram um caso de amor. Na verdade, após a conspiração falhar, Lucilla foi exilada e, pouco depois, executada sob ordens de Commodus.

      Curtir

  2. Bom o filme é um entretenimento, o autor não estava querendo contar em detalhes o que aconteceu na antiga Roma, ele criou a história de um gladiador…ele inventou uma lenda fantástica, que até hj nos emociona…Os americanos são demais,e embora sabendo do que mais ou menos aconteceu na antiga Roma e no famoso coliseum sangrento de Roma eu precisamente não me incomodo com os erros..

    Curtido por 1 pessoa

  3. 2. AS LUTAS DE GLADIADORES BANIDAS POR ORDEM DE MARCUS AURELIUS
    Pelo que li em outros artigos, Marcus Aurélio não fazia questão das lutas, mas elas existiam com bem pouca frequência. Commodus as intensificou para dissimular os olhares da população. O imperador havia feito pacto de paz com as tribos rivais e, com isso, Roma deixou de arrecadar com as guerras. Para manter o exército permanente de romano (que era numeroso), houve aumento de impostos. Também houveram outros motivos alem destes que o levaram a ser considerado o pior imperador que Roma já teve. Ele usava o troco como status e não para governar. Ele queria lazer, distração e uma vida sossegada.

    Curtido por 1 pessoa

    • Na verdade se trata de mais uma adaptação. Commodus não estava próximo ao seu pai quando ele morreu. Porém, assim como no filme, Marcus Aurelius morreu num acampamento militar, mas acredita-se que decorrência de uma provável epidemia que afligia suas tropas.

      Curtir

  4. Abner, antes de tudo gostaria de agradecer pela matéria mas também gostaria de complementar um dado. Maximus provavelmente existiu. No livo Mabioginon (sem edição em Português) há uma história chamada Maxem Ulledigh que nas traduções mais novas sai como “Um Sonho de Imperador”. Maxem é descrito como um espanhol que capitaneava a guarda romana nas fronteiras bretãs do império romano. A história se passa no período no qual justamente Marcus e Commodus reinaram. Segundo a história, Maxem após ter o período de serviço encerrado ao invés de voltar para casa aliou-se a um príncipe irlandês do Conalght de nome Conam Meriadegh. Maxem planejava um golpe de estado e Meriadgh queria a Gália. Resolveram então usar uma parte dos soldados romanos que foram liberados de serviço junto com Maxem e as tropas de Meriadegh. O plano era invadir a Gália, escravizar os franceses para engrossar a tropa e com esse exército em fim invadir Roma destronando o imperador, feito isso o espanhol ficaria no trono e concederia a França para Meriadegh. O problema, segundo o livro é que os franceses não se curvaram e batalharam até vencer num verdadeiro massacre. A batalha de Bona Dera onde vários dos gladiadores teriam servido com Maximus no filme, na verdade foi sua morte vergonhosa. Ou seja, a batalha na Alemanha que abre o filme já começa errada pois o general dos romanos já estava morto antes. Já quanto ao livro além de ter gerado grande parte dos contos de fadas e ter dado base para Tolkien escrever o Senhor dos Anéis, nele estão registrados relatos da história antiga da Bretanha e região.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Adorei, foi muito esclarecedor.
    Gostaria de saber se o ROLO irmão de Ragnar da série, A saga Viking, foi o primeiro rei da dinastia Normanda e também se ele foi tataravô de Guilherme o conquistador

    Curtido por 1 pessoa

    • Que bom que você gostou dos esclarecimentos, Geraldo!

      Rollo não foi necessariamente um rei Normando, pois era um vassalo do rei Carlos III da França, mas ele é conhecido por ter sido o primeiro duque da Normandia. O rei francês garantiu a Rollo as terras e a nobreza desde que Rollo jurasse proteger o território justamente contra seus conterrâneos, e ex-colegas de saques, os nórdicos.

      E sim, Rollo foi antepassado de Guilherme, o Conquistador, que tempos mais tarde atravessaria o Canal da Mancha e se tornaria Rei da Inglaterra.

      PS: Gostaria de acrescentar que desconheço a existência de uma dinastia normanda. Pelo menos, posso dizer que a origem dessa palavra não está relacionada a uma dinastia, e sim à expressão “homens do norte”, northmen ou norsemen, que hoje em português, conhecemos como nórdicos. E foi justamente a ocupação nórdica em território francês que originou o nome da região que hoje conhecemos como Normandia.

      Curtir

Compartilhe sua opinião conosco

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s